Telessaúde MS

Pergunta Semanal

Tempo de Leitura

2 minutos

Data de Postagem

14/12/2023

RESPOSTA:

Resposta:

O abuso de álcool e de drogas é um comportamento de risco na adolescência e na juventude de escolares com grande potencial de provocar danos a curto e a longo prazo na vida deles. Por isso, a investigação desses comportamentos nessa faixa etária é essencial para direcionar ações preventivas e educacionais voltadas à conscientização desse grupo.

A atenção primária à saúde (APS) desempenha um papel importante na identificação e intervenção precoce em casos de abuso de álcool e drogas na escola. Dessa forma, a APS deve proceder de acordo com tais exemplos:

  1. Apresentar uma eficaz formação dos profissionais de saúde para lidar com a abordagem e tratamento de usuários de álcool e outras drogas, visto que é necessário que os agentes possuam conhecimento sobre como abordar um jovem e sobre os impactos do uso abusivo desses elementos na vida dele.
  2. Identificar qual nível se encontra o estudante no grau de dependência da droga, segundo os seus diversos tipos, como o uso experimental, ocasional, habitual, recreativo, em “binge”(uso excessivo episódico de álcool), abusivo e dependente.
  3. Acolher os alunos dessa situação de vulnerabilidade social, assim, criar um ambiente, onde eles possam buscar ajuda e recuperação. Ademais, que promova a inclusão, que é um elemento essencial para ajudá-los a superar os obstáculos que enfrentam em relação ao uso de álcool e de drogas e até já encaminhá-los para os centros que ajudam a combater isso.
  4. Manter em sigilo a informação dos alunos, respeitando suas informações pessoais e compartilhando-as apenas com as partes necessárias. Necessita-se realizar uma educação dos estudantes sobre os riscos do abuso de álcool e drogas, bem como fornecer informações sobre recursos de prevenção e tratamento disponíveis.
  5. Precisa-se de uma rede de saúde intersetorial articulada, que considere os determinantes sociais e toda complexidade de questões individuais e sociais que abarca o uso de drogas.

g. Contate um dos pais ou responsável para agendar uma reunião presencial, de preferência em um ambiente privado. É de extrema importância que a comunicação seja feita de maneira sensível e

confidencial. Lembre-se de que as famílias podem passar por momentos emocionalmente difíceis ao compartilhar evidências ou sinais de preocupação na escola. Forneça exemplos claros de mudanças no comportamento ou desempenho do aluno.

h. Acionar o Conselho Tutelar, na medida em que é um órgão governamental responsável pelos menores de 18 anos em casos de inconstitucionalidades, como por exemplo o uso de álcool e drogas.

Referências:

Oliveira, Jessica Vanessa Barros et al. Drogas ilícitas e sua associação com o uso de tabaco e álcool em adolescentes e jovens escolares. Revista o Mundo da Saúde, v.44, p.349-357, e0642020. Disponível em:https://bvsms.saude.gov.br/bvs/periodicos/mundo_saude_artigos/drogas_ili

citas_tabaco_alcool.pdf Acesso em: 8 de outubro de 2023.

Ramaldesa, Helena Quintas; Avellar, Luziane Zacché; Tristão, Kelly Guimarães. Características de Crianças Usuárias de Substâncias Psicoativas Descritas pela Própria Criança. Psicologia: Teoria e Pesquisa. Vol. 32 n. 4, pp. 1-8. Disponível em: : http://dx.doi.org/10.1590/0102.3772e324220. Acesso em: 24 de outubro de 2023.

Souza, Fabiana Érica; Ronzani, Telmo Mota. Desafios às práticas de redução de danos na Atenção Primária à Saúde. Psicologia em estudo, v.23, e37383. Disponível em: https://doi.org/10.4025/psicolestud.v23.e37383 Acesso em: 8 de outubro de 2023.

Descritores CIAP2

P19 (Abuso de drogas); P16 (Abuso agudo de álcool); -46 (Consulta com profissional de APS).

Teleconsultor

Juliana Dias Reis Pessalacia – Doutora em Enfermagem Psiquiátrica pela Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP-USP). Docente da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul/Campus de Três Lagoas.

Lattes: http://lattes.cnpq.br/4043784563120025

Priscila Damaceno Santos – Bacharel em Enfermagem pela Universidade de Franca (UNIFRAN), mestranda no Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS).

Enfermeira-área da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul/Campus de Três Lagoas.

Lattes: http://lattes.cnpq.br/5205986415667053

Daniel de Souza Siqueira- Graduando do Curso de Graduação em Medicina do Campus de Três Lagoas da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Murilo Branco Fávaro- Graduando do Curso de Graduação em Medicina do Campus de Três Lagoas da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Pedro Porta Aguiléra – Graduando do Curso de Graduação em Medicina do Campus de Três Lagoas da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Rafaela Cavalcante França- Graduanda do Curso de Graduação em Medicina do Campus de Três Lagoas da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Rayssa Alexandra Fogaça da Costa- Graduanda do Curso de Graduação em Medicina do Campus de Três Lagoas da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.