Quais atividades de educação em saúde podem ser realizadas nas unidades Básicas de saúde neste momento de pandemia?

Tempo de leitura
5 minutos
Postagem
25/06/2021
Quais atividades de educação em saúde podem ser realizadas nas unidades Básicas de saúde neste momento de pandemia?

         Durante a pandemia, todas as tecnologias se fazem necessárias nos processos de produção em saúde e, nessa perspectiva, não cabe hierarquização de valor entre elas; a depender da situação, cada uma terá sua importância, embora todas as situações exigissem o uso das tecnologias.

          No que concerne à pandemia do novo Coronavírus, torna-se fundamental a produção do cuidado humanizado, a construção de vínculos, relações de confiança e garantia de acesso aos serviços de saúde. Estas práticas devem ser ofertadas tanto para quem adquire a COVID-19, quanto para os demais usuários que continuam a sofrer com problemas de diferentes intensidades, agudos e/ou crônicos. Além do mais, elas se constituirão como dispositivos para minimizar os efeitos psicológicos e sociais que a crise humanitária têm imposto à população.

           Em meio à pandemia, as tecnologias leves contribuem na produção do cuidado a partir da compreensão do usuário quanto à sua singularidade; no estabelecimento de vínculos solidários e de participação coletiva no processo de gestão; no mapeamento e interação com as demandas sociais, coletivas e subjetivas de saúde; na valorização dos diferentes sujeitos implicados no processo de produção de saúde: usuários, trabalhadores e gestores; no fomento da autonomia e do protagonismo desses sujeitos; e no aumento do grau de corresponsabilidade na produção de saúde.¹

          Quanto a exemplos de atividades a serem realizadas, podemos destacar:

  1. Realizar ações de informação, educação e comunicação na comunidade sobre a situação epidemiológica do território, a necessidade de evitar aglomerações e sobre as medidas de proteção comunitárias, domiciliares e pessoais, como distanciamento social, uso de máscaras de tecido, higiene pessoal, lavagem de mãos, etiqueta respiratória. ²
  2. Potencializar recursos de comunicação coletivas existentes na comunidade (rádios comunitárias, grupos de mensagens, carro de som, entre outros). ²
  3. Divulgar orientações e informações sobre a COVID-19 e sobre o funcionamento da Unidade Básica de Saúde (UBS) para os diversos atores e em espaços-chave da comunidade, com atenção especial para dirimir fake news.² Para tanto, podem ser usadas as redes sociais, confecção de livretos, folders e cartazes, bem como a atuação direta dos agentes comunitários de saúde.

          Instituir e promover a vigilância popular em saúde, a qual promove a mobilização e protagonismo dos atores sociais dos territórios a somarem-se à ação sanitária desenvolvida pelas equipes de saúde da

  1. família buscando a formação de agentes populares de saúde, os quais buscam agir nas comunidades tanto fortalecendo a educação em saúde, como ampliando a circulação das informações sobre doenças como a COVID-19 e os cuidados preventivos.

          Ainda sobre o contexto da pandemia, deve-se ressaltar a importância da manutenção da educação permanente dos profissionais de saúde atuantes nas unidades. Para tal, emerge a necessidade de que as atividades, cursos e eventos sejam mediados por tecnologias digitais, como o ensino remoto e a educação à distância. Estudos recentes na área apontam alguns desafios que devem ser levados em conta no uso dessas modalidades de ensino, como questões relacionadas à comunicação, utilização adequada das diferentes ferramentas digitais, diferentes tipos e dificuldades da experiência on-line, engajamento nas atividades educacionais, mecanismos de avaliação, existência de ansiedade ou estresse relacionados à pandemia, gerenciamento do tempo e até alguns casos de tecnofobia. Desse modo, é fundamental buscar o uso de metodologias ativas de aprendizagem que se adequem a essa forma de educação e estimulem e motivem os profissionais a se engajarem no processo de ensino-aprendizagem.

Referências

¹ CECCON, R. F.; SCHINEIDER, I. J. C. Tecnologias leves e educação em saúde no enfrentamento à pandemia da COVID-19, 2020. Disponível em: https://preprints.scielo.org/index.php/scielo/preprint/view/136

² ENGSTROM, E.; MELO, E.; GIOVANELLA, L.; MENDES, A.; GRABOIS, V.; MENDONÇA, M. H. M. Recomendações para a organização da Atenção

Primária à Saúde no SUS no enfrentamento da Covid-19. Observatório COVID-19 – Série Linha de Cuidado Covid-19 na Rede de Atenção à Saúde. FIOCRUZ, 2020.

³ TOMAZ, J. B. C. Educação na saúde em tempos de pandemia: desafios e oportunidades. Revista Científica Cadernos ESP, v. 14, n. 2, 2020

Descritores CIAP2
Teleconsultor

Tatiana Carvalho Reis Martins – Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes). Docente da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul/Campus de Três Lagoas.

Lattes: http://lattes.cnpq.br/5087084042752459

Tábitha Raísa Kiselar Aguilera – Graduanda do Curso de Graduação em Medicina do Campus de Três Lagoas da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.
Lattes: http://lattes.cnpq.br/2453596111494927

Com dúvida clínica?

Essa resposta foi gerada a partir de Teleconsultoria, canal gratuito para resolução de dúvidas de profissionais da saúde.

Gostou? Tem mais!

Confira mais Perguntas Frequentes.

Veja o que tem sido mais perguntado pelos profissionais de saúde do Mato Grosso do Sul.

Horário de Funcionamento

7h30 às 17h30

Horário Oficial de Mato Grosso do Sul

Nos ligue!

Telessaúde MS

(67) 3345-8070

CETELTI | TI do Telessaúde MS

(67) 3345-8011

SES | Help Desk | Suporte em TI

(67) 3323-7100, opção 1

Fale Conosco

Copyright © 2020 - Telessaúde MS - CETELTI Ana Damore